Páginas

Assista nossos programas:

sexta-feira, 22 de maio de 2020

Sete dicas para dar banho em cães durante a quarentena



A veterinária Adriana Souza dos Santos, da AmahVet Clínica Veterinária, ensina como manter seu pet limpinho e seguro nesse período de afastamento social.

  1. Use água morna;
  2. Proteja as orelhas do cão com algodão (sem apertar) para que não entre água ou fiquem úmidas após o banho;
  3. Inicie o banho da cabeça para baixo para não assustar o animal e correr menos risco de cair água nos ouvidos;
  4. Molhe a pele e os pelos e passe uma quantidade de shampoo suficiente para limpar o animal, produzindo uma espuma que cubra toda a sua superfície corporal;
  5. Tome cuidado e não aplique o shampoo nos olhos e boca;
  6. Deixe a espuma agir e massageie por mais ou menos 5 a 10 minutos;
  7. Após o tempo de ação do shampoo, enxague com bastante água e remova todo o produto.
Sobre a AmahVet

Criada em 2017 pelos empresários Alessandro Pires e Alexandra Gimenez, a AmahVet é uma clínica veterinária focada exclusivamente em saúde para animais de estimação. Localizada no bairro do Tatuapé, na zona leste da capital paulista, oferece exames laboratoriais e de imagem, cirurgias, internação 12 horas e consultas de emergência ou especialidades, incluindo felinos e animais silvestres, por preços acessíveis (50% mais baixos que os valores médios de mercado). O espaço conta com consultórios, sala de treinamentos para funcionários, centro cirúrgico, farmácia e laboratório. Mais informações: www.amah.vet

segunda-feira, 27 de abril de 2020

Empresa lança linha de móveis decorativos para pets



Produtos da Mo.Co têm design moderno e vão encantar o seu bichinho


Poucas coisas são tão carinhosas quanto chegar em casa e ser recebido com um sorriso no rosto e patinhas para o alto. Os pets são verdadeiros melhores amigos com quem a gente divide a vida – e, às vezes, o sofá, a cama... Mas quem ama quer ter o outro perto, respeitando seu espaço e suas vontades.

Pensando nisso, a Cia do Móvel lançou a linha Mo.Co, para amigos que moram juntos. São 11 opções de móveis com design moderno, perfeitos para combinar com o ambiente do lar sem perder a funcionalidade e garantindo o conforto que seu bichinho tanto gosta. “Os móveis da linha Mo.Co foram pensados para agradar todas as famílias e podem ser alocados em qualquer cômodo da casa. Dá para dormir, comer, ver televisão, tudo com o seu pet. Além disso, os produtos combinam com a decoração da casa, deixando o espaço muito mais estiloso”, explica Rodrigo Pinto, diretor comercial da companhia.

A linha Mo.Co tem móveis para gatos e cachorros de pequeno e médio porte. Todos eles incluem um colchão e são super fáceis de limpar, basta utilizar um pano umedecido. E chega de esconder os comedouros quando a visita chegar: a mesa Mika tem bowls de alumínio, a melhor opção para higienização, e foi projetada com posição e altura adequadas para uma postura saudável na hora de se alimentar – a coluna deles agradece!

Os produtos são produzidos em MDF de eucalipto ou em madeira maciça de jequitibá, nas cores preta, branca e amadeirada. Para a segurança dos animais, a pintura é atóxica. Todos estão disponíveis para compra online.








Onde encontrar: http://www.mocobrasil.com.br/


Sobre a Cia do Móvel:

https://www.ciadomovel.com.br

Atuando desde 2000, a empresa desponta como líder no mercado de móveis infantis e juvenis ao oferecer produtos de alta qualidade e conceitos de artesanalidade. Pioneira no lançamento do sistema de berços que se transformam, a Cia do Móvel apresenta muito mais versatilidade e aproveitamento do produto. É a primeira e única empresa do setor a certificar-se na ISO 9001 e, além disso, em 2012, conquistou a certificação do Inmetro ABNT NBR 15860, que regulamenta os berços fabricados e comercializados em todo o território nacional. Atualmente, a marca tem mais de 1.500 itens em linha, entre berços, camas, cômodas, armários e poltronas. Entre as linhas estão: bo, Ópera, Eco, Farm, La Vie, Joy e Manhattan. A empresa também dispõe de um e-commerce, o Singular Baby, que oferece tudo o que os pais precisam em um único lugar.

domingo, 5 de abril de 2020

Pets na quarentena: saiba como mantê-los ativos e saudáveis


Brincadeiras lúdicas dentro de casa, além de cuidados redobrados com a higiene do pet e dos brinquedos estão entre as recomendações


Em tempos de quarentena, mudanças de rotina são de suma importância e a situação também afeta os animais de estimação. Passeios na rua são necessários, mas devem ter duração reduzida e é preciso tomar alguns cuidados na volta para a casa, orienta a veterinária Adriana Souza do Santos, da AmahVet, clínica veterinária.

Segundo ela, uma mudança abrupta na rotina do animal não é recomendada, pois pode causar estresse ao bichinho, sobretudo se o pet não faz as necessidades dentro de casa. “Um cão, por exemplo, que tem uma rotina de sair e fazer as necessidades durante o passeio, ao simplesmente deixa de ir passear, pode se recusar a fazer coco e xixi dentro da casa ou quintal. O problema é que, assim como ocorre com os seres humanos, conter as necessidades fisiológicas por muito tempo pode causar infecções prejudiciais à saúde”, alerta.

Por isso, segundo a especialista, não podemos isolar os pets ou deixar de manter contato com eles, salvo se o tutor for diagnosticado com coronavírus. “Cães e gatos não transmitem COVID-19 para os humanos de forma direta, mas se uma pessoa estiver com o vírus nas mãos e acariciar o pet, outra pessoa que tiver contato com o mesmo animal poderá se infectar”, explica. “Por essa razão, todo método preventivo é válido, além disso não descartamos a possibilidade de uma nova mutação desse vírus, capaz de ser um potencial zoonótico entre pets e seres humanos no futuro”, salienta.

Veja abaixo as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e da Associação Mundial de Clínicos Veterinários de Pequenos Animais (World Small Animal Veterinary Association - WSAVA):

1 - Passeios com os pets devem ser mais breves e o tutor deve procurar áreas ao ar livre e sem aglomeração de pessoas;

2 - Recomenda-se evitar o contato com outros tutores e outros pets quando sair;

3 - O mais indicado é que apenas um tutor fique responsável por passear com o cãozinho;

4 - Se o animal tiver apenas um tutor e este estiver infectado, o ideal é que o pet fique na casa de um familiar ou amigo de confiança;

5 - Ao voltar dos passeios, passe um lenço umedecido no pelo e nas patas do animal. Existem lenços antissépticos para pets, mas na falta deles é possível usar um sabão neutro comum ou lenço de bebê;

6 - Quem tem gato deve evitar as saidinhas e manter o animal em casa sempre que possível;

7 - Brinque bastante com o pet dentro de casa. Cães adoram correr em busca de brinquedos. No caso dos gatos, é indicado disponibilizar arranhadores e usar Feliway (versão sintética do feromônio felino FR, responsável pela sensação de tranquilidade e segurança) ou Catnip (erva indicada para deixar gatos mais tranquilos) para atraí-los para o objeto, uma vez que arranhar ajuda aliviar estresse e ansiedade;

8- Após as brincadeiras, lave bem com água e sabão os objetos como bolinhas, bichinhos de borracha, entre outros;

9 - Não é recomendado dormir com seu pet e, por ora, evite beijos, abraços e lambidas;

10 - E por último, mas não menos importante, higienize bem as mãos após os passeios e interações com seu animalzinho.

Sobre a Amavet


Criada em 2017 pelos empresários Alessandro Pires e Alexandra Gimenez, a AmahVet é uma clínica veterinária focada exclusivamente em saúde para animais de estimação. Localizada no bairro do Tatuapé, na zona leste da capital paulista, oferece exames laboratoriais e de imagem, cirurgias, internação 12 horas e consultas de emergência ou especialidades, incluindo felinos e animais silvestres, por preços acessíveis (até 50% mais baixos que os valores médios de mercado). O espaço conta com consultórios, sala de treinamentos para funcionários, centro cirúrgico, farmácia e laboratório. Mais informações: www.amah.vet

sexta-feira, 3 de abril de 2020

Mundo Pet - Transforme em pó a urina do seu pet com o Varre Xixi, da marca Petbrilho, do Grupo Interbrilho



O diferencial do produto é a praticidade, pois facilita a limpeza, além de perfumar o local


O Varre Xixi, da marca Petbrilho pertencente ao Grupo Interbrilho, é um higienizador sanitário que transforma dejetos líquidos em pó, permitindo que a remoção seja feita apenas com vassoura e pá, dispensando o uso de panos, evitando o contato direto das mãos com a urina e deixando o ambiente suavemente perfumado. Ele proporciona praticidade na limpeza do local.

Os consumidores podem encontrar o Varre Xixi nas versões Kit - composta por um pote de 250 gramas, pá e escovinha – e refil de 250 gramas no formato stand-up pouch, que é aquela embalagem plástica que fica em pé nas prateleiras das gôndolas. Os itens estão disponíveis em todo o Brasil.

Sobre a linha Petbrilho

A Petbrilho é parte do portfólio de marcas do Grupo Interbrilho e conta com uma linha desenvolvida especialmente para atender as necessidades do público de produtos pet, sendo aprovada pelos melhores especialistas da área no Brasil. Visando atender à demanda de um mercado exigente e ávido por novidades, os investimentos da Petbrilho são voltados à inovação e desenvolvimento de novos produtos, procurando proporcionar ao consumidor um produto diferenciado e de qualidade.

Sobre o Grupo Interbrilho

O Grupo Interbrilho está localizado em Cabreúva, no interior de SP, e tem como principal missão contribuir para manter viva as paixões do brasileiro, trazendo produtos com novos conceitos para limpeza automotiva, higiene animal e soluções para churrasco. A empresa, que se destaca cada vez mais no setor de varejo, desenvolve produtos com as marcas nacionais Rodabrill, Cockpit, Petbrilho, Funpet, Prime Grill e as internacionais Ekopet e Roadshine.

Instalada em um moderno parque industrial numa área de mais de 25.000 m², a Interbrilho está equipada com máquinas de alta performance, recursos de última geração e avançados conceitos de gestão empresarial para sempre oferecer produtos modernos e altamente competitivos no mercado. A empresa tem, desde sua produção até a distribuição nos principais mercados de consumo, uma rigorosa política de qualidade voltada a atender as expectativas dos consumidores sempre em conformidade com as normas e as legislações vigentes. Os produtos com a qualidade Interbrilho são distribuídos em todo território nacional e exportados para diversos países da América Latina, América do Norte e Ásia, além de estarem presentes nos Estados Unidos. Com mais de 1.000 pontos de venda de seus cerca de 200 produtos por todo o Brasil, o Grupo tem suas marcas em destaque principalmente nas regiões Sul e Sudeste do País.

Ministro Gilmar Mendes suspende abate de animais vítimas de abuso e maus tratos


Na última sexta-feira (27/03) o ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, determinou a suspensão de todas as decisões administrativas ou judiciais que autorizavam o sacrifício de animais vítimas de abuso e maus tratos no país. A determinação tem âmbito nacional.

A ação foi apresentada pelo Partido Republicano da Ordem Social (PROS), que alegou existirem incoerências no Decreto 6.514/2008, referente à destinação de animais silvestres, domésticos, nativos ou exóticos apreendidos em decorrência de abuso.

Animais apreendidos em rinhas de galo, por exemplo, poderiam ser mortos pela falta de locais para sua destinação. Com essa decisão, as autoridades que realizam as apreensões devem buscar encaminhá-los de maneira mais ética, garantido a dignidade dos animais. Vale lembrar que a rinha de galo é uma prática criminosa, prevista pela Constituição Federal.

Com a decisão, foi excluída qualquer interpretação da lei e do decreto que autorize o abate desses animais, de forma a garantir o direito fundamental ao meio ambiente ecologicamente equilibrado e a preservação da vida dos animais.

Seminário em Defesa Animal é adiado para 2021



O Fórum Animal informa o adiamento do VI Seminário Nacional e I Seminário Internacional de Defesa Animal: Desafios do Poder Público, que aconteceria nos dias 15 e 16 de agosto de 2020, em Curitiba.

Frente à expansão do novo coronavírus, declarado com uma pandemia pela Organização Mundial da Saúde (OMS), é fundamental que o país entenda o isolamento social como principal forma de conter a disseminação da doença COVID-19.

A curva de infecção do vírus continua aumentando e, por ainda não existir um entendimento completo de seu avanço no país, optamos pelo adiamento do evento, de forma a garantir a segurança de todos os envolvidos.

O Seminário será reagendado para 2021. A data específica será divulgada assim que resultados concretos sobre a redução da pandemia forem compreendidos.

Para outras duvidas e informações, o e-mail para contato é o comunicacao@forumanimal.org.

segunda-feira, 9 de março de 2020

ONU REVELA QUE BRASIL AINDA DISCRIMINA AS MULHERES


O Brasil que cresce pelas mãos femininas é o mesmo que exclui e discrimina mulheres



De todos os países do mundo, o Brasil é o ambiente onde as mulheres mais sofrem preconceito. Por conta do gênero, mulheres são apontadas como menos capazes de exercer lideranças políticas, de assumir cargos em diretorias de empresas e de serem chefe de negócios. Mas quando elas decidem provar para o mundo que ele está errado, o resultado pode ser fantástico.

E uma das formas delas “meterem o pé na porta” é por meio do empreendedorismo. Mulheres de fibra que ajudam a colocar esse mesmo Brasil preconceituoso em um outro ranking, agora mais próspero, o de 7º país em maior proporção de mulheres empreendedoras.

Começar o negócio pode vir de uma necessidade, do susto ao ficar desempregada, após o fim de um relacionamento e até como atividade complementar a um outro serviço para evitar riscos financeiros. O consenso é que em nenhum dos casos é fácil. É o caso de Marina Queiroga Carneiro, de 29 anos. Proprietária de uma agência de publicidade de Brasília, a jovem superou mais do que os obstáculos tradicionais de empreender no Brasil, como o pagamento de impostos e a burocracia para a abertura de empresas.

“Quando chego na reunião, com cara de jovem e por ser mulher, tive que provar muito mais para os meus clientes. Trazer muito mais resultado, muito mais rápido, porque eles já me julgavam menos capaz do que se fosse um homem”, conta.

O primeiro “negócio” de Marina foi antes mesmo de chegar a maioridade. Ao ver que precisaria parar com as aulas de balé porque a mãe não podia mais pagar o curso, começou a dar aula para meninas mais novas para pagar sozinha as aulas. As ideias foram mudando, os obstáculos foram crescendo, mas o propósito se manteve. Hoje, Marina gerencia uma agência de publicidade e emprega outras quatro mulheres.

“Eu falaria para elas não se intimidarem e fazerem o que querem fazer para serem felizes e não para agradar a alguém. Porque vejo muito essa sensação de agrado, compensação, como se tivessem que se provar para o mundo, mas tem que ser para nós mesmas. E a partir daí começa a se reconhecer e, consequentemente, terá um reconhecimento da sociedade. Isso é o principal”, aconselha.

A sensação de intimidação a que Marina se refere se justifica. O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) analisou 75 países, que representam 80% da população global, e concluiu que nove em cada dez pessoas, inclusive mulheres, têm preconceito de gênero. Segundo a pesquisa, o consenso é que mulheres são menos capazes apenas pelo fato de serem mulheres.

Não na mesma proporção, mas engajadas em transformar essa realidade, as empreendedoras somam 24 milhões de pessoas, segundo dados do Sebrae. Uma delas é Kelly Nogueira, de 40 anos. De policial militar no estado de São Paulo a empresária de sucesso. O gatilho para a mudança de vida foi um relacionamento abusivo.

“Meu ex-namorado era abusivo, me menosprezava, dizia que eu não seria ninguém, dizia que tinha nojo de mim porque minhas unhas eram roídas. Muito tempo sofri em silêncio, até que alguma coisa despertou em mim e decidi que estava na hora de mudar minha vida. Peguei o que mais me machucava e transformei na minha força”, lembra. Assim surgiu o primeiro quiosque de alongamento de unhas. Depois veio uma loja, que hoje faz parte de uma rede de sete. Cada uma fatura cerca de R$ 1 milhão por ano. “A minha história de vida inspira muitas mulheres. Não tenho só o serviço de unha, eu empodero, vendo autoestima e transformação”, ressalta Kelly.

Para Juliana Guimarães, especializada em Concepção e Gestão de Negócios, o empreendedorismo surge muitas vezes como uma forma da mulher se relacionar com o mundo. “Vejo que quando as mulheres buscam essa alternativa, buscam não só para complementar a renda, mas para suprir uma necessidade de autorrealização. Para fazer aquilo que realmente gostariam como atividade principal”, pondera.

Ao fazer esse “enfrentamento”, segundo Juliana, é preciso ampliar o debate para reverberar. “A gente precisa entender que não adianta discutir apenas entre nós o quão é importante a nossa representatividade dentro do mercado. Tem que trazer os homens para que eles entendam. Porque a gente vem de um processo de criação de cultura muito machista, que teve mudanças, mas que precisa continuar. É importante ter diversidade, inclusive, no âmbito de quem discute o assunto para poder mudar a situação”, indica.

quarta-feira, 4 de março de 2020

Cantareira Norte Shopping promove feira de adoção de cães e gatos



Durante o evento, além da adoção, os visitantes podem contribuir com doação de ração para o projeto


Em parceria com a ONG OXY Proteção Animal, o Cantareira Norte Shopping prepara mais uma edição da feira de adoção de pets. O evento acontece no sábado, dia 7 de março, a partir das 10h30 até o último animal adotado, no piso térreo do empreendimento, ao lado da loja Piticas.

Antes da adoção, os animais resgatados pela ONG passam por exames médicos, são castrados e vacinados. E para adotar é necessário apresentar o RG, preencher uma ficha cadastral, além de colaborar com a taxa de R$50 para que a instituição continue dando abrigo aos animais desamparados nas ruas.

A ONG OXY Proteção Animal está localizada em Caieiras, na Grande São Paulo, e é uma organização que desde 2010 se dedica a acolher animais que estão em situação de abandono ou risco de sobrevivência, proporcionando a eles uma nova oportunidade de vida e convivência.

“O nosso shopping colabora com a causa animal e frequentemente dedicamos uma data para que aconteça a adoção dos pets. Já foram centenas de animais adotados através do nosso evento. Além de conquistar um novo amiguinho, nossos visitantes podem participar com a doação de ração para ajudar a instituição nos cuidados com os animais”, acrescenta Elizabete Henriques, gerente de marketing do Cantareira Norte Shopping.

O empreendimento está localizado a 3 km do Rodoanel, no entroncamento da Avenida Raimundo Pereira de Magalhães e Estrada do Corredor, importantes eixos de crescimento. Tornou-se um importante complexo de compras, serviços e lazer pela variedade de opções que oferece.

O Cantareira Norte Shopping reúne marcas como: Renner, C&A, Besni, Pernambucanas, Casas Bahia, Lojas Americanas, Caedu, O Boticário, Cacau Show, Kalunga, Havaianas, Popeyes, Mc Café, Clube Melissa, La Brasa; Popeyes; Mc Café; Sóbrancelhas; Espaço Laser; Morana; Hering, entre outras.


Feira de Adoção de Pet no Cantareira Norte Shopping
Data: 7 de março - sábado
Horário: das 10h30 até o último animal adotado
Local: Piso térreo, ao lado da loja Piticas
Horários de funcionamento do shopping
Lojas e Praça de Alimentação:
-segunda-feira a sábado das 10h às 22h
-domingos e feriados: lojas das 14h às 20h e alimentação das 11h às 22h
Telefone: 11 3090-8100
Endereço: Avenida Raimundo Pereira de Magalhães, 11.001, Jardim Pirituba.
Site: www.cantareiranorteshopping.com.br
Tem acesso a portadores de necessidades especiais

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2020

Carnaval: médicos-veterinários dão dicas de segurança alimentar


Consumo de produtos sem higiene e refrigeração podem provocar quadros de saúde graves


Durante as festas de Carnaval, quando muitos foliões participam de eventos de rua, o cuidado com a alimentação deve ser redobrado. Médicos-veterinários que atuam na área sanitária alertam que a ingestão de produtos contaminados ou mal conservados podem provocar complicações sérias de saúde. Para se ter uma ideia, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), mais de 350 mil pessoas morrem todos os anos em decorrência de quadros provocados por intoxicação alimentar. 

“As altas temperaturas deste período do ano, aliadas à falta de refrigeração adequada para a conservação dos alimentos, tornam-se um grande problema”, diz o médico-veterinário Ricardo Calil, presidente da Comissão Técnica de Alimentos (CTA) do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo (CRMV-SP). Ele enfatiza que, muitas vezes, não é possível notar alterações na aparência, gosto ou cheiro de um produto que pode já estar em processo de deterioração.

Calil explica que os alimentos devem ser mantidos a uma temperatura abaixo de 8°C ou acima de 66°C, para segurança de consumo. 

Procure por segurança alimentar

A médica-veterinária Adriana Maria Lopes Vieira, presidente da Comissão de Saúde Pública Veterinária (CSPV) do CRMV-SP, recomenda que os foliões optem por estabelecimentos e vendedores com o alvará de funcionamento em dia.

Isso porque o protocolo para concessão desse documento prevê o atendimento a exigências mínimas para o fornecimento de alimentos seguros e permite a fiscalização sanitária periódica. Exemplo dos critérios avaliados são o controle de temperatura para evitar a proliferação de bactérias e o uso de pia com papel toalha e sabonete líquido exclusiva para higienização das mãos. 

O documento de alvará de funcionamento precisa estar exposto, ou seja, disponível para a rápida identificação do consumidor.


Detalhes fazem a diferença

Ricardo Calil alerta para a atenção às condutas de higiene dos locais de compra dos alimentos, como a lavagem das mãos com constância.

“É importante também estar com os cabelos presos e cobertos e não usar adornos, como anéis e pulseiras”, complementa Adriana.

Outra sugestão é, ao comprar uma garrafa de água, verificar se o recipiente está mesmo lacrado antes de abrir, para evitar consumir o líquido em recipiente reaproveitado.

Ainda no que diz respeito às bebidas, as latas merecem atenção. “A bebida entra em contato com a superfície, que pode conter microorganismos, sujidade ou produtos químicos. Limpar com um guardanapo, apesar de não ser 100% seguro, ajuda”, afirma.


Cuide da higiene pessoal


A higiene é fundamental também entre os próprios foliões. “Lavar sempre as mãos é uma conduta importante. O nosso comportamento influencia e pode contribuir para aumentar os riscos, assim como estar em ambiente sujo ou com poeira”, comenta Calil.

Há ainda a opção de levar o próprio alimento e bebida de casa. “Sanduíches ou frutas, ingeridos frios, podem ser conservados em bolsas térmicas, com auxílio de gelo em gel, por exemplo”, sugere o médico-veterinário, orientando ainda que se evite abrir a bolsa se não for consumir o produto.

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2020

Deixe seu Pet em casa no Carnaval ou ele correrá sérios riscos




Levar pets ao Carnaval pode desencadear problemas físicos e comportamentais

Médicos-veterinários fazem alerta sobre os riscos das festas para os animais de estimação



O tutor que está pensando em levar seu animal de estimação para blocos ou bailes de Carnaval precisa estar atento aos riscos que o passeio pode ocasionar. O som alto, a aglomeração de pessoas e as elevadas temperaturas são fatores que podem gerar muito estresse para os pets e contribuir para problemas de saúde e comportamento. O ideal é deixar os pets longe da folia, em um ambiente tranquilo. 

Para o animal, o barulho do som alto e das próprias pessoas causa um grande incômodo, explica a médica-veterinária Maria Cristina Reiter Timponi, presidente da Comissão das Entidades Veterinárias do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo (CRMV-SP). Um cachorro, por exemplo, é quatro vezes mais sensível aos sons do que um ser humano, destaca a profissional. 

“Se o som já é alto para o tutor, imagine para o pet. Ele fica muito irritado e o estresse pode provocar até o óbito do animal. Neste estado alterado, a tendência é que a respiração aumente de velocidade, resultando em uma taquicardia. Se o animal sofre de uma deficiência respiratória, o problema se agrava, e ele pode ter desmaios, falta de oxigenação e síncope cardíaca”, pontua Maria Cristina. 

E, caso ocorra alguma movimentação inesperada da multidão, o pet ainda corre o risco de ser pisoteado ou esmagado. “Todos esses novos estímulos são muito estressantes e podem desenvolver sinais clínicos que o animal não tinha, como ansiedade, que o tutor terá que direcionar para tratamento depois”, alerta a Dra. Cristiane Pizzutto, presidente da Comissão de Bem-Estar Animal do CRMV-SP.

Mesmo o mais dócil e sociável dos animais pode sofrer muito e apresentar problemas comportamentais. “O estresse pode deixar o animal mais agressivo e ele pode morder as pessoas, mesmo que o comportamento não seja da natureza dele”, observa Cristiane. Há também o perigo do pet ingerir restos de alimentos do solo, inclusive resíduos tóxicos, ou mesmo de eles serem feridos por objetos cortantes, como cacos de vidro ou latas de cerveja e refrigerante. 

“Além disso, o calor e o esforço farão com que o animal sinta necessidade de beber muito mais água e em menor intervalo de tempo, evoluindo rapidamente para um quadro de desidratação”, diz a médica-veterinária Cristiane Pizzutto. Os riscos de complicação são ainda maiores, especialmente para os animais braquicefálicos – cuja anatomia do focinho é curta, como é o caso dos bulldogs, shih-tzus e boxers –, que têm uma respiração mais delicada. 

Atenção ainda para a exposição excessiva ao sol, que pode causar o “heat stroke” (insolação), assim como com a temperatura do asfalto, que pode provocar queimaduras nos coxins (almofadas das patas). 

Ambiente caseiro confortável para o pet


Mesmo que o animal de estimação fique no conforto do lar, ele pode sofrer com o barulho de moradores ou estabelecimentos vizinhos. Por isso, o tutor deve se preparar para deixar o pet em um ambiente o mais confortável possível antes de sair para curtir o Carnaval. 

Os cuidados diários devem ser mantidos, como assegurar que a casa esteja ventilada - caso o bicho não tenha uma área externa para ficar -, assim como garantir o acesso a um espaço protegido do sol e da chuva - caso o pet fique do lado de fora do imóvel -, além de água limpa e fresca à disposição. 

“É interessante colocar algodão nos ouvidos, para amenizar o som alto e, caso o animal tenha histórico de estresse com barulho e agitação, é recomendável a visita a um médico-veterinário de confiança, para que possa avaliar a necessidade de administração de alguma medicação de forma segura”, recomenda Maria Cristina Reiter Timponi. 




Sobre o CRMV-SPO CRMV-SP tem como missão promover a Medicina Veterinária e a Zootecnia, por meio da orientação, normatização e fiscalização do exercício profissional em prol da saúde pública, animal e ambiental, zelando pela ética. É o órgão de fiscalização do exercício profissional dos médicos-veterinários e zootecnistas do estado de São Paulo, com mais de 38 mil profissionais ativos. Além disso, assessora os governos da União, estados e municípios nos assuntos relacionados com as profissões por ele representadas.

Fórum Animal participa de audiência pública em Guarulhos


Fórum Animal participa de audiência pública em Guarulhos

Na última sexta-feira, foi realizada audiência pública para discussão de propostas de emendas e substitutivas ao Projeto de Lei 3.634/2019, que dispõe sobre o Código de Proteção e Bem-Estar Animal em Guarulhos.

No evento, esteve presente o Fórum Animal, além de outros participantes, como membros da Câmara, representantes da OAB e o Departamento de Proteção Animal (DPAN), e representantes da sociedade civil e outros protetores de animais da cidade. O Fórum entregou à diretoria do DPAN o ofício que contém análise técnica e outras considerações sobre o projeto de lei, de forma a impedir que práticas cruéis como rodeios, vaquejadas e a criação irregular de animais sejam proibidas. Foram também abordados principais pontos questionados pelo corpo técnico do Fórum , reforçando o pedido de outros protetores de animais sobre a inclusão textual de manter a proibição de rodeios e vaquejadas, além de outros itens que requerem revisão.

Na audiência, os responsáveis pela elaboração do projeto de lei se mostraram extremamente solícitos às sugestões apresentadas pelos presentes. Foram abordadas a necessidade de se proibir a manutenção de cães em correntes de qualquer tamanho, os valores das multas e a importância da gratuidade para que o munícipe possa implantar microchips nos animais.

Com as tempestades de verão, recomenda-se dar banho nos pets em locais especializados


Banho de Ofurô para pet
Petshowers são a melhor maneira de manter seu pet limpo e saudável em épocas de calor e chuva. Confira as dicas do especialista


A maior proteção dos pets contra as intempéries é o seu pelo. É uma proteção natural contra as quedas e aumentos bruscos de temperatura, umidade, sujeira, entre muitos outros perigos. Porém, para que o pelo possa proteger bem seu pet ele precisa estar bem cuidado, limpo, escovado e seco. Essa verdade não muda em épocas de chuva intensa e grande umidade no ar, mas é preciso tomar outros cuidados.

Dar banho em casa, o que a maioria das pessoas faz, não é uma prática recomendada nessa época pelo simples fato de que o tempo, já estando úmido, dificulta a secagem do pelo. Isso pode acarretar doenças respiratórias sérias, o que faz com que a maioria dos guardiões dos pets optem por evitar o banho. Algo que também não é o ideal. “Petshowers são a melhor maneira de manter seu pet limpo e saudável em épocas de calor e chuva”, conta Vinícius Danieli, fundador do Chica Chiquinha Pet Shower.


Banho Ofurô - Chica Chiquinha Pet Shower

Cães de Grande porte também devem ter banhos regulares


Épocas de chuva intensa, como a que vivemos atualmente em grande parte de São Paulo, são complicadas para quem tem animais. A solução está em contar com profissionais qualificados que darão a atenção necessária ao pet, tanto na limpeza, quanto na secagem do pelo do animal, evitando tanto a sujeira, quanto a umidade. “No petshower conseguimos limpar, tratar o pelo, deixá-lo pronto para proteger o pet, sem que haja risco de umidade, já que usamos secadores potentes para garantir que não haja riscos de umidade em pelos mais grossos”, conta Vinícius.

As indicações da frequência dos banhos nos pets variam conforme a pelagem e raça do pet. Intervalos de banhos inferiores a uma vez por semana não são recomendados para nenhum tipo de pelagem, a menos que o cão ou gato esteja em tratamento dermatológico e o médico veterinário recomende um intervalo menor.

As recomendações gerais são:
Cães de pelos curtos: Intervalo do banho pode ser de 2 em 2 meses.
Cães de pelos longos: Pelo longo com crescimento contínuo de 1 a 4 vezes por mês.
Cães de pelos volumosos: Recomenda-se de 1 a 2 vezes por mês

Ter profissionais à mão para o trabalho é algo que vale a pena, já que é da saúde de um membro da família que estamos falando. Levando seu pet para um banho dentro do período necessário é possível manter ele saudável.

A tosa também entra em pauta quando falamos sobre a necessidade de controle de calor em animais muito peludos vivendo em países como o Brasil, onde há temperaturas intensas em quase todo o ano. “A tosa é um corte que garante que o animal fique bem, confortável, sem retirar dele sua proteção natural e necessária”, finaliza Vinícius.