Páginas

Assista nossos programas:

terça-feira, 24 de maio de 2022

Mercado de seguros para pets prevê crescimento bilionário nos próximos anos

Setor deve atingir US$ 32,7 bilhões em escala global até 2030, com crescimento de 16,7% ao ano



O distanciamento social exigido na pandemia de Covid-19 abriu novas oportunidades para o mercado pet, que devem se ampliar nos próximos anos. Como tentativa para as pessoas driblarem a solidão do isolamento, houve crescimento na aquisição e adoção de animais em todo o mundo, o que aqueceu o setor de produtos e serviços dirigidos aos bichinhos. No Brasil, não foi diferente: atualmente há, no país, mais de 141 milhões de pets, entre cães, gatos, aves e outros, de acordo com estimativa da companhia de serviços de assistência Europ Assistance Brasil (EABR).

A crise econômica internacional ocasionada pela pandemia e por outros fatores estimula particularmente o mercado de seguros para pets, já que os tutores buscam o serviço pela necessidade de reduzir o risco financeiro e driblar os altos custos dos cuidados veterinários. Segundo relatório da consultoria Grand View Research, o setor foi avaliado em US$ 8,3 bilhões em 2021 e deve alcançar US$ 32,7 bilhões em escala global até 2030, com crescimento de 16,7% ao ano.

Para o consumidor, há muitas vantagens. Afinal, ao contrário de planos de saúde pet, que se limitam à assistência veterinária, as assistências podem oferecer amplas gamas de serviços, como hospedagem e transporte.

“As soluções pet já fazem parte do nosso portfólio há alguns anos, mas desde o ano passado temos investido ainda mais na diversificação de nossos produtos, como por exemplo, a assistência psicológica à família em caso de perda de um pet, pois sabemos que os bichinhos são como membros da família, e a orientação remota de saúde, seguindo a nova onda de Telemedicina”, afirma Rogerio Guandalini, Diretor Comercial e de Marketing da Europ Assistance Brasil. “Temos mais de 20 soluções que podem auxiliar os clientes em casos de emergências ou momentos de conveniência, como: consulta veterinária e cirurgia emergencial, internação, exames laboratoriais, hospedagem, funeral, entre outras”.

Segundo Rogerio, a procura por esse tipo de assistência tem crescido no país, seguindo as tendências internacionais. “Sabemos que esse é um mercado que vem crescendo a cada ano, e, com a pandemia, notamos um aumento de aproximadamente 30% na procura por serviços voltados aos pets. Temos investido bastante em novas soluções e capilaridade de atendimento, garantindo modelos de credenciamento de clínicas veterinárias e pets de forma simplificada, a fim de atender a população brasileira sem restrições”.

Para o especialista, este é o momento ideal para investir no setor. “O segmento vem crescendo acima da casa de dois dígitos nos últimos anos, e a procura de serviços também. Tanto o mercado segurador, como o mercado varejista estão incluindo em seu portfólio de produtos os serviços voltados ao mundo pet, para atender a nova formação das famílias brasileiras e suas necessidades”, conclui.

Sobre a Europ Assistance Brasil


A Europ Assistance Brasil (EABR) foi fundada em 1996 e atualmente está entre as cinco maiores empresas de assistências do País. A companhia atua em cinco linhas de negócios diferentes: automóveis, viagens, saúde, residencial e concierge. A EABR faz parte da Europ Assistance Group, que atende clientes em mais de 200 países e conta com uma rede de 750 mil prestadores e 39 centros de assistência pelo mundo. Para saber mais, basta acessar www.europ-assistance.com.br.


domingo, 22 de maio de 2022

Como criar conteúdo de pets para plataforma de vídeos curtos

Os bichinhos ganharam cada vez mais destaque na internet, e criadores do app Kwai dão dicas para transformar os animais de estimação em verdadeiras estrelas




Até pouco tempo, os pets eram coadjuvantes dentro dos perfis de seus tutores. Hoje em dia, com o aumento no número de páginas destinadas a conteúdos de animais, eles se tornaram os verdadeiros protagonistas. De cachorros a aves, os animais de estimação são muito queridos pelos usuários de redes sociais, mostrando perfis repletos de muito carisma e personalidade.

E o Kwai, aplicativo de criação e compartilhamento de vídeos curtos, reuniu dicas valiosas dos pais e mães dos pets mais amados da plataforma para quem quer começar a criar conteúdos para seus bichinhos. Os criadores dos perfis Lulu de Lua (1.1M seguidores), Pequenos Príncipes (1.1M seguidores) e Pedrinho e Paulinho (666K seguidores) ensinam como tornar seu animalzinho um sucesso na internet. Confira:

1- Conheça a personalidade do seu pet e adote uma linguagem divertida

Ao identificar a personalidade do seu animalzinho, é possível criar uma voz e uma história para ele. Com essas características você pode contar o que seu pet gosta e não gosta de fazer, se ele faz mais o tipo inteligente ou mais inocente; e criar histórias ou contar piadas na visão dele. É o que Fran e Emily, as mães do trio de cachorros Pequenos Príncipes, fazem. “O Zorro é o mais engraçado, o Nhoque o mais manhoso e o Bolt o mais inteligente. Todos os vídeos criados por nós retratam a realidade e a personalidade dos bichinhos, com o viés sempre voltado para a comédia”, afirmam.

2 - Registre vários momentos

Uma dica chave para criar um conteúdo de pet é registrar os mais diversos momentos do dia dele. Qualquer situação pode gerar um clique ou um vídeo legal. Um passeio, uma soneca, a hora da comida e até o veterinário podem render boas histórias. Pode ser brincando ou até mesmo tomando um banho! Com esses registros, é possível criar uma história com diferentes cenários, diferentes gestos e ações do seu animalzinho. “É preciso ter dedicação e respeitar o tempo dele”, explica Layla, dona do ringneck Lulu. “Por isso, um bom truque é estar sempre fazendo algum registro. Assim os conteúdos saem com mais naturalidade e espontaneidade”.

3 - Identifique o gosto do seu público

É muito importante receber e abraçar o feedback dos seguidores. Saber o que mais atrai o público irá gerar mais engajamento. “Sei do que os seguidores mais gostam, então meus vídeos curtos performam bem na plataforma. Nos feedbacks que recebo, os fãs contam que gostam de ver os gatinhos em situações fofas e engraçadas, e que esses conteúdos acabam tornando o dia dessas pessoas melhor”, explica Cláudia, criadora dos gatinhos Pedrinho e Paulinho.

4 - Siga outros perfis para buscar tendências

Ficar atento aos assuntos mais falados em outros perfis ou nas hashtags mais utilizadas - como a #pet, que já possui mais de 1 bilhão de visualizações - farão você ter várias inspirações na criação do seu conteúdo. Fazer um vídeo que remete aos assuntos mais comentados fará com que seu pet ganhe visibilidade. Mas seja original, se você quer ter uma página diferente das que já existem, é bom quebrar a cabeça para ter uma ideia exclusiva.

5 - Faça com amor

Nunca force o seu bicho a fazer algo que ele não esteja curtindo, foque apenas na diversão e no conforto dele. Faça com calma e muito amor! E não se esqueça de responder aos comentários e às mensagens diretas com muita simpatia e cordialidade. Dessa forma, o seu pet vai ganhar o carinho do público com base em um relacionamento de confiança e amizade.


Sobre o Kwai


Um dos aplicativos gratuitos mais populares do Brasil, o Kwai permite que o público crie seu próprio conteúdo e compartilhe vídeos online de forma fácil, inclusiva e acessível, em um universo interativo que possibilita a conexão de pessoas. Com a missão de tornar a vida das pessoas mais felizes, o Kwai acredita que todos os pequenos momentos da vida merecem ser compartilhados. O app está disponível nos sistemas iOS e Android, na App Store e no Google Play . Saiba mais em: www.kwai.com.


domingo, 2 de janeiro de 2022

Como salvar seu Pet em caso de acidentes




Dicas importantes para salvar seu pet em caso de acidentes:


Os animais sempre tiveram ao lado dos seres humanos, isso é fato! Com a pandemia, essa relação se tornou ainda mais estreita. Apesar de todo carinho e amor que temos por eles, será que estamos preparados para lidar com situações que envolvam a saúde ou até mesmo a manutenção da vida de nossos queridos animais?

Infelizmente, o conhecimento de técnicas de primeiros socorros não é conhecida por grande parte das pessoas no auxílio a outros seres humanos. E quanto aos acidentes aos animais? O que podemos fazer?

Apaixonada por animais, inclusive pelo seu amigo inseparável Pickles, a Priscila Currie – que é a única paramédica brasileira neste cargo em Londres, acaba de elencar algumas dicas de socorro aos animais, em parceria com a Dra Maísa Secco, que é médica veterinária. Confira:

“As emergências acontecem e, dessa forma, estarmos preparados pode salvar a vida dos bichanos e garantir sua saúde deles. Mas muito cuidado, pois o susto e a dor podem deixar o animal agressivo ou tocá-lo”, explica Priscila.


Confira as dicas:


Antes de qualquer coisa tenha disponível o contato de mais de um hospital, clinica ou Veterinário que atenda a qualquer momento. Muitos veterinários atendem somente em horário comercial e talvez não poderão oferecer ajuda em diferentes horários.

Tenha um kit de primeiros socorros para o seu animal. Neste kit, tenha visível o contato da emergência 24h, um termômetro, esparadrapo, gazes estéreis, faixas de compressão largas, uma tesoura, bandagens, gel antisséptico, luvas estéreis, uma caneta, água oxigenada volume 10%, carvão ativado e dipirona gotas. Caixa de transporte sempre disponível! Limpa e segura!

Atropelamento ou quedas: as fraturas devem ser imobilizadas com faixas ou pedaço de papelão. Fraturas expostas, o melhor é cobrir a região com um pano grande e limpo. Vale ressaltar que no caso de fraturas expostas, somente um veterinário terá habilidade de reposicionar, por isso apenas cubra a região com pano limpo e busque assistência veterinária. Muito cuidado com as mordidas! O animal estará com dor, então, com auxilio de um cobertor ou toalhas de banho, cubra ou enrole a cabeça do animal. Tenha cuidado para manter a respiração dele viável.

Envenenamento: Antes de qualquer atitude é importante saber o que o animal ingeriu. Nunca dê leite ou água para o animal. Nunca! Administre, por via oral, a água oxigenada do kit de emergência. Isso fará com que o animal vomite o conteúdo tóxico. O carvão ativado também ajudará a evitar a absorção do veneno. Estimular o vômito é uma atitude de emergência e pode salvar seu animal, mas somente o médico veterinário poderá estabilizar o quadro.

Sangramento por cortes – nunca lave a ferida. Utilize bandagem ou panos limpos, como toalhas e pressione para evitar mais perda de sangue. Procure imediatamente o veterinário.

Engasgos - Ofereça petiscos seguros para seu animal. Atualmente o mercado pet conta com produtos anatomicamente produzidos para auxiliar a preensão e evitar esses acidentes. No caso de engasgos, a mesma Manobra de Heimlich utilizada em humanos pode auxiliar seu pet. Muito cuidado ao tentar abrir a boca do animal, pois pode acontecer mordedura!

Convulsão - Coloque seu animal sobre almofadas e enrole em cobertores para evitar traumas pela agitação. Cuidado com as mordeduras que podem acontecer. Lembre-se que o animal está inconsciente e pode machucar você. Espere o quadro se acalmar e o leve para acompanhamento clínico veterinário.

Avalie sempre as vias respiratórias e batimentos cardíacos. Lembre-se que a manutenção da vida começa por aqui. Aja com calma, tenha atenção para não se machucar e procure seu veterinário de confiança.

Em caso de dor, a medicação mais segura que você pode oferecer é a dipirona. Uma gota para cada quilo pode aliviar o desconforto até que o veterinário estabeleça o protocolo de controle de dor. Na Inglaterra, a medicação usada é a aspirina, na dose de 10mg para cada quilo. Ou seja, para um cão com 10kg, por exemplo, você pode administrar 100mg (equivalente a mais ou menos ¼ de comprimido).


Sobre a Paramédica

Priscila Currie é formada por umas das melhores faculdades clínicas do mundo, a St Georges University, em Londres. Ela trabalha como Paramédica (única mulher brasileira neste cargo) para o governo britânico atendendo as maiores emergências pré-hospitalares da capital.

Sobre a Médica Veterinária

Maísa Secco é formada na Universidade do Estado de Santa Catarina. Atua há 10 anos como anestesista em campanhas de esterilização de cães e gatos em comunidades carentes no Brasil. Apaixonada por emergência, controle de dor e clínica médica de cães e gatos e por todas as formas de vida, realizou curso de primeiros socorros com a Priscila Currie para auxiliar seres humanos em situação de urgência e emergência. Também se atualizou com o curso Pet First Aid by Internacional Open Academy em Londres. Além disso, é veterinária técnica do laboratório francês Virbac em Santa Catarina, pela Agroveterinária Timbó.


sábado, 1 de janeiro de 2022

Viagens internacionais com pets exigem certificado veterinário emitido pelo Mapa


A emissão do documento pode ser feita de forma eletrônica para o trânsito internacional de cães e gatos com destino a 11 países





Quem pretende viajar para fora do país com seu animal de estimação precisa obter o Certificado Veterinário Internacional (CVI), emitido gratuitamente pelo Sistema de Vigilância Agropecuária Internacional (Vigiagro), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). O documento atesta as condições e o histórico de saúde do animal de estimação e comprova que o cão ou gato atende às exigências sanitárias do país de destino.

Os donos de animais devem planejar a viagem com antecedência, a fim de conhecer as exigências do país de destino. Cada país tem seus procedimentos para autorizar a entrada de animais domésticos: alguns aceitam o CVI ou o passaporte para a entrada do animal, outros países só permitem a entrada de cães e gatos exclusivamente por meio do CVI.

Confira no link as respostas para as principais dúvidas sobre viagens com animais

O passaporte pode ser usado durante toda a vida do animal, desde que seja acompanhado de comprovante de vacinação atualizado, e não tem prazo de validade. Já o CVI deve ser emitido antes de cada viagem. Atualmente, a emissão do passaporte está suspensa, devido à pandemia de Covid-19.

O Ministério da Agricultura já disponibiliza a emissão do CVI para trânsito internacional de cães e gatos para 11 países de forma eletrônica: Argentina, Bolívia, Canadá, Chile, Colômbia, Estados Unidos, Japão, México, Paraguai, Uruguai e Venezuela. Nesses casos, é possível solicitar o Certificado por meio do Portal GOV.br

Para os demais países com o CVI presencial, o passageiro deve contatar uma unidade do Vigiagro com, no mínimo, 30 dias de antecedência.

As informações, exigências de cada país acordado e contato das unidades


Estados Unidos

Desde o dia 1º de dezembro, o Center for Disease Control and Prevention (CDC), órgão de controle e prevenção de doenças dos Estados Unidos, alterou as regras de entrada de cães no país. Os animais que chegam de países classificados como de alto risco para raiva, que inclui o Brasil, só poderão ingressar nos Estados Unidos por um dos 18 pontos de entrada aprovados. A decisão inclui cães que estiveram em países com alto risco nos últimos seis meses.

A exigência de documentos aumentou. Antes, era exigido apenas o comprovante de vacina de raiva, agora é preciso apresentar um comprovante de microchip e o laudo de sorologia da raiva, se a vacina atual tiver sido aplicada fora dos Estados Unidos. A idade mínima para o ingresso de cães passou de 4 meses para 6 meses de idade.

Segundo o CDC, as medidas são necessárias para proteger a saúde pública contra a reintrodução da variante do vírus da raiva canina nos Estados Unidos.

>>> Ouça a matéria na Rádio Mapa